Viajar sozinho vale a pena? 10 Lições que aprendi pelo mundo

Viajar sozinho: muita gente não compreende o que leva uma pessoa a fazer isso.

Eu mesma não compreendia.

“Você não vai conseguir se divertir.” “Vai ficar fazendo o quê?” “Nossa, deve ser muito triste viajar sozinho.” “Que pena, nenhum de seus amigos quis viajar com você?”.

Quem já viajou sozinho, com certeza já escutou alguma dessas frases. Eu escutei várias delas.

Como é viajar sozinho? É bom?

Quando era criança, viajei muito sozinha. Com pais separados que moravam em estados diferentes, cada férias era uma oportunidade de me tornar uma pessoa mais independente. Fiz o trajeto Belo Horizonte – Rio de Janeiro de ônibus inúmeras vezes e, se bem me lembro, estar sozinha naquelas horas nunca foi um problema.

Mas então a gente cresce e parece que desaprende. Como eu sofria com minhas viagens sozinha a trabalho! Tudo parecia muito longe e o tempo sozinha parecia não passar. Às vezes me sobrava tempo disponível e eu… pedia um serviço de quarto e jantava ali mesmo no hotel. Afinal, eu não ia sair pra jantar sozinha, né?

Eu não sei bem em que ponto do caminho eu mudei. Talvez,  a tecnologia tenha dado um empurrãozinho. Afinal, na palma da mão agora tenho mapa e acesso à toda a informação possível sobre um lugar. Além disso, se por acaso a solidão bater, dá pra puxar um papo com uns amigos, não importando quão longe eles estejam!

Em 2012, fiz um intercâmbio e morei com 9 amigos – quase como uma família. No meu aniversário, resolvi vencer os meus medos e viajar sozinha por 15 dias sozinha pela primeira vez. E foi incrível.

Hoje, gostaria de compartilhar com vocês algumas lições que aprendi e que vão te ajudar a criar coragem para viajar sozinho pela primeira vez.

+ Leia também: Viajar não é a solução para os seus problemas

Lição #1 – Você vai conseguir se virar sozinho

A menos que você seja muito medroso ou muito tapado (haha). Mesmo que você não domine o idioma ou não conheça o local, as pessoas irão te ajudar. Você pode contar com ajuda da tecnologia e dos adoráveis centros de informações turísticas. Além disso, se perder faz parte da viagem e você pode descobrir coisas que nunca iria imaginar.

Lição #2 – Não existe essa de “não ter nada pra fazer porque está sozinho”

Eu sei que a primeira impressão é de que você não vai se divertir se estiver sozinho. Mas você não tem ideia do quanto é libertador aprender a se divertir sem depender  de ninguém. Caminhar por ruas desconhecidas já é uma descoberta incrível e você verá coisas que não notaria se estivesse engajado num papo super animado com alguém. Ir para um bar, pedir uma cerveja e bebê-la na companhia de um livro pode ser muito agradável.

Lição #3 – Tem muito mais gente viajando sozinha do que você é capaz de imaginar

É só procurar, que você irá encontrar essas pessoas e verá que elas não estão infelizes. Toda vez que viajo, me surpreendo com alguma história de um viajante sozinho, que de nenhuma forma me parece solitário.

Lição #4 – Se você quiser, vai estar mais cercado de pessoas do que se viajasse com um amigo

Fazer amigos em viagens é fácil. Aliás, será até mais fácil se você estiver sozinho. Isso vale mesmo para países nos quais as pessoas são consideradas “frias” para nós brasileiros, como alguns países da Europa. Em qualquer país você vai encontrar um brasileiro, um latino americano ou outras pessoas querendo compartilhar a história de sua viagem. Basta você querer se conectar com as pessoas. Um sorriso no rosto abre muitas portas.

Mas gente , tudo bem se você não quer sair por aí falando com estranhos durante a sua viagem. Tem gente que é mais reservada e que não tem interesse em conhecer milhões de pessoas.

Lição #5 – O mundo não é tão perigoso quanto parece

Eu sei que você já leu ou ouviu algumas histórias de alguém que foi viajar sozinho e teve algum problema grave. Não há como fechar os olhos. Infelizmente isso acontece sim.

Algumas pessoas são assaltadas. Mulheres, às vezes, são vítimas de violência sexual. Turistas podem perder suas vidas em alguma emboscada. Mas isso também pode acontecer na sua cidade. Vai me dizer que você se sente totalmente seguro na sua casa na sua cidade?

Claro que quem viaja sozinho, precisa ter mais cuidado em alguns países. O que não podemos é deixar o medo nos dominar por causa de casos isolados. Se fosse assim, a gente nem sairia de casa. 

Lição #6 – Você vai se conectar muito mais com a cultura local

Quando viajamos acompanhados, fazemos nossos passeios conversando com aquelas pessoas que estão conosco. Com isso, acabamos não notando muitas coisas que estão ao nosso redor. Deixamos de notar o comportamento dos habitantes, de se esforçar por aprender algumas palavrinhas no idioma da cidade. Não pedimos indicação de onde comer como um morador da cidade. Quando a gente viaja sozinho, observa muito mais.

Lição #7 – Alguns destinos são melhores que outros para se viajar sozinho

Ainda que eu não acredite nessa de que “não dá pra viajar sozinho para tal lugar”, acredito que alguns são mais amigáveis sim. Dá pra viajar sozinho para as Ilhas Maldivas? Dá! Mas viajar para uma cidade romântica, como Veneza, logo depois de terminar um relacionamento, pode trazer algum desconforto. 

Por outro lado, cidades do Leste Europeu estão repletas de pessoas explorando o mundo sem companhia do lado. Além disso, se essa é sua primeira viagem sozinho e você está um pouco receoso, opte por aquelas que falem Português ou um idioma que você domine. Tudo ficará mais simples.

Lição #8 – Saber se virar vale muito mais do que dominar o idioma do destino

Algumas pessoas acham que só dá pra viajar sozinho se souber o idioma ou tiver um inglês perfeito. Não é bem assim não. Se você for uma pessoa “desenrolada”, conseguir se virar bem na internet ou tiver um planejamento detalhado, como o que oferecemos aos nossos leitores, não vai precisar ficar pedindo informação toda hora e saber o idioma local é dispensável. Eu morria de medo de viajar para algum país que não conhecesse a língua, mas essa barreira foi quebrada quando viajei tranquilamente pela Noruega, com um inglês ainda muito arrastado!

Lição #9 – Você pode fazer seus próprios planos – e decidir não seguir nenhum deles!

Quando a gente viaja sozinho, não precisa satisfazer nenhuma vontade, além da nossa! Por isso, você poderá usar nosso Guia de Planejamento de Viagem para elaborar um roteiro só com atrações que te animem, no seu ritmo. Você não vai precisar acordar cedo por ninguém (ou sair tarde do hotel quando sua energia é mais alta de manhã). Também vai poder voltar pro hotel quando tiver vontade, porque está cansado ou com frio, sem o receio de atrapalhar os planos de ninguém. Aliás, você pode simplesmente ignorar todos os planos que fez e ficar deitado na cama o dia inteiro, se você amanheceu com aquela cólica terrível.

Lição #10 – Você vai querer viajar sozinho de novo!

Até hoje, aos meus 30 e poucos anos, não conheci ninguém que tenha escolhido fazer uma viagem sozinho e não tenha voltado totalmente renovado! Garanto que é uma experiência única, cujo único efeito colateral é a vontade de viajar sozinho novamente. Depois que você pegar o jeito, pode nunca mais querer companhia para suas aventuras pelo mundo!

Viajar sozinho vale a pena?

Com toda certeza que sim! Claro que, como tudo na vida, viajar sozinho tem suas vantagens e desvantagens. Algumas sensações são mais que especiais quando não se tem ninguém por perto, como acertar o caminho pra estação de trem, escolher o restaurante só porque passou pela porta e achou bonitinho (e não tinha nenhum compromisso com ninguém programado pra depois). A gente também presta mais atenção ao som da chuva e sente o cheiro da terra molhada. Coisas que muitas vezes passam totalmente despercebidas quando se está acompanhado.

Por outro lado, faltam as risadas, as discordâncias, alguém para dividir a sobremesa e para andar abraçadinho pra espantar o frio, além de alguém te permitir ter fotos além de selfies! Falta alguém para compartilhar suas impressões, comentar aquele passeio incrível, ajudar na hora dos perrengues (e rir muito deles depois).

Mas não tem jeito. Em cada tipo de viagem sempre vai faltar um dos lados e – pra mim –  os dois são complementares e igualmente importantes. Como não há escuridão, se não existir luz. Como não há frio, se não existir o calor.

Renata Marques

Nascida em Minas Gerais, filha de mãe mineira e pai paulista, passou parte da infância no Rio de Janeiro, morou em João Pessoa, fez intercâmbio em Londres e atualmente estuda uma possibilidade de se mudar de São Luís, onde já viveu por quase metade da vida. Mãe desde muito nova, filha desnaturada, esposa esforçada. Apaixonada por viagens e paisagens naturais. Servidora pública, fotógrafa e blogueira e em 2017 fez uma volta ao mundo de 1 ano com a família.

9 comentários em “Viajar sozinho vale a pena? 10 Lições que aprendi pelo mundo

  • maio 16, 2016 em 6:06 pm
    Permalink

    Adorei seu ponto de vista.
    Também sou dessas. É bom poder partilhar quando é possível mas não deve ser um impedimento para não ir, ou não planejar uma viagem sozinha.
    Hoje é possível cercar-se de todas as informações e cuidados relacionados à segurança.
    Passado isso é só alegria. Eu tenho uma sensação de pertencimento quando estou só. Talvez o de pertencer amim mesma e poder fazer o que quiser ou que eu estiver pronta.
    Não sei explicar como e nem porquê mas fica um sentimento bom. Sempre retorno plena e feliz com minha conquista mais recente.

    Resposta
    • maio 16, 2016 em 6:12 pm
      Permalink

      Verdade, Ângela! É aquela sensação de dever cumprido… um “eu consegui”!

      Resposta
  • junho 1, 2016 em 12:16 am
    Permalink

    Queria ter essa coragem, essa falta de medo!!!!

    Resposta
  • janeiro 20, 2017 em 8:55 pm
    Permalink

    Concordo com você. Eu passei a me sentir melhor nas viagens a partir do momento em que comecei a viajar sozinha,é verdade que às vezes bate aquela vontade de ter alguém para dividir as alegrias e também os perengues(rsrs)mas nada que uma taça de vinho ou uma cervejinha não resolva.A questão é perder o medo e colocar os pés na estrada depois da primeira nunca mais vai querer parar.

    Resposta
    • janeiro 20, 2017 em 9:11 pm
      Permalink

      Oi Nark,
      Viajar sozinha não necessariamente significa ficar a viagem inteira só, não é mesmo? E depois que a gente vai a primeira vez, vê que é muito mais fácil do que parece!

      Resposta
  • janeiro 23, 2017 em 8:25 am
    Permalink

    Oie!
    Cheguei aqui através do seu comentário no 360M.
    Gente, que texto é este?
    Reflete tudo o que eu penso!
    Me “dei” de presente uma viagem a Paris, sonhada a 11 Anos, agora no meu aniversário em 2016!
    Fui sola! Fiz amigos no caminho! Comemorei meu aniversário com uma turma de brasileiros que encontrei na viagem!
    Foi maravilhoso!
    É verdade, só conhece o prazer de viajar sozinha e descobri a força que tem, quem perde o medo de ter medo, e decidi ir!
    Bjs

    Resposta
    • janeiro 26, 2017 em 12:48 am
      Permalink

      Oi Suzeane!

      Parabéns por ter vencido o medo. Tenho certeza de que não se arrependeu!

      Resposta
  • julho 16, 2019 em 11:38 am
    Permalink

    O seu texto diz tudo, no Brasil tenho viajado sozinha, o próximo desafio é viajar para o exterior. Você não pode deixar o medo te dominar e como vc disse um sorriso abre as portas.

    Resposta
    • julho 17, 2019 em 9:19 am
      Permalink

      Obrigada pelo retorno, Magna!

      A primeira barreira você já venceu. Agora é partir pra fora do país!

      Conte conosco!

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *