Destination Wedding Cancún: melhor escolha da nossa vida

A gente tem um recado a todos que ainda vão casar e amam viajar: ao menos cogitem a ideia de fazer um Destination Wedding em Cancún!

Casar em Cancún foi a melhor decisão que tomamos. E gente, é um sonho possível. Eu e a Renata (que se casou em Vegas) resolvemos aproveitar que maio é o mês das noivas para conversar com vocês sobre este tema lindo, e ajudar com dicas e relatos da nossa experiência.

destination wedding cancún

Muita gente não curte o twitter, confesso que é a minha rede social favorita. Eu uso todos os dias, sem exceção, seja para ler notícias, piadas ou interagir com pessoas super bacanas que estão sempre por lá (famosa: procrastinação). No dia 09/04/2016 anunciei no meu perfil que os tweets a partir de então falariam apenas de viagem e de casamento, e foi bem o que aconteceu.

Em determinado momento, encantada com a viagem e tudo que estávamos vivendo no hotel do casamento, mas ainda antes da festa e sob o efeito de muitos free drinks, eu postei uma frase falando para as pessoas não fazerem festa de casamento, em mais outros tweets reforcei bem a ideia.

Mas é claro que postar estas frases soltas assim fizeram algumas pessoas questionarem o motivo de eu estar dizendo isso. E isso gerou além de algumas discussões pacíficas sobre o tema, uma reflexão da minha parte. O que por sua vez acabou me inspirando a escrever este post e falar mais sobre este assunto.

Destination Wedding – Por que tomamos essa decisão?

wing-221526_1280

Assim, cada um faz o que quiser com o seu dinheiro e se a pessoa tem grana e tá a fim de gastar numa festa acho que deve seguir em frente. Como esse não é o caso meu e do Fábio, nós não estávamos confortáveis com a ideia de gastar uma dinheirama em uma festa de casamento.

É claro que a gente entende que dá sim para casar gastando pouco, antes de cogitar a ideia do Destination Wedding eu era frequentadora assídua do Casando sem Grana (CSG) e juntos, eu e o Fábio já tínhamos bolado altas ideias para o casamento, ia ser uma feijoada, ia ser um boteco, ia ser com tema de viagens. Nós pensamos e repensamos no que faríamos, como onde e quando faríamos diversas vezes. Fizemos alguns orçamentos e uma planilha supercompleta que daria uma estimativa do gasto. Acontece que mesmo seguindo as dicas do CSG e economizando em tudo que pudéssemos, ainda assim gastaríamos um bocado em uma festa que duraria algumas horas.

A gente estava bem triste com a possibilidade de não convidar alguns amigos porque nossas famílias são enormes e, você deve saber que o preço de uma festa é diretamente proporcional ao número de convidados. Desde que começamos a falar sobre casamento, eu passei a sonhar com uma festa pequena, com parentes queridos e alguns amigos íntimos, mas isso estava bem longe da nossa realidade. Eu não gostaria de convidar ninguém por obrigação, porque a pessoa trocou a minha fralda uma vez quando eu tinha 7 meses e, apesar de não me importar muito com a opinião dos outros, eu me importo com meus pais e sei que pra eles é importante a presença de pessoas que eu facilmente descartaria da minha lista.

Depois, por mais que você esteja decidido a fazer tudo simples e econômico, imagina você noiva (ou noivo) pesquisando sobre casamento e descobrindo decorações lindas com flores naturais, modelos de bolo encantadores, porta-guardanapos, lembranças, kit de banheiro, kit ressaca, convites, lágrimas de felicidade, modelos de mesas e cadeiras, copos personalizados, topos de bolo… gente é sério, a lista de coisas que as pessoas inventam pra casamento tende ao infinito. Mas sabe o que é pior? É tudo lindo! Sabe o que é ainda pior? Tudo custa uma fortuna, mas você fica com vontade de ter cada um destes itens na sua festa.

Amigos, quando o assunto é dinheiro eu sou uma pessoa super contida. Eu penso e repenso um milhão de vezes antes de comprar alguma coisa. Muitas vezes eu me arrependo de não ter comprado algo depois de sair da loja de mãos abanando. Quando chegamos na cotação de itens de decoração pro casamento eu, essa pessoa mão-de-vaca, queria simplesmente tudo que achava lindo. Eu pensava, “Nossa, eu to trabalhando, fazendo um esforço danado pra juntar grana e eu me apaixonei por isso. Quantas vezes eu deixei de comprar algo que queria, deixei de sair, pra economizar pro casamento e ai agora eu não vou encomendar as cadeiras Tiffany que acho p-e-r-f-e-i-t-a-s?? Eu só vou casar uma vez, vai ter cadeira Tiffany sim!!!”.  Percebe Ivair, como o nosso cérebro arma pra gente quando chega no casamento?

É claro que no fim das contas, ao elaborar nossa planilha a gente não colocou muitas das coisas que eu tinha adorado. Mas sabe aquele sentimentozinho chamado frustração? Nós devemos ter maturidade pra lidar com isso, mas esse é o ponto que eu quero abordar aqui. Mesmo não fazendo tudo exatamente do jeito que queríamos ainda íamos desembolsar boa parte da poupança no evento.

Veja bem, nós apesar de estarmos namorando há oito anos, estamos começando nossa vida a dois agora. Estamos gastando uma grana danada com a nossa casinha, nossos móveis, nossos eletrodomésticos. Olhando pra isso, parece meio bobo investir tanto dinheiro em porta-guardanapos personalizados, em balões laminados, em sandálias decoradas, enfim, em uma festa que vai durar até 5 horas – se os convidados estiverem dispostos a dançar e se divertir –  quando ainda temos tanta coisa pra fazer e tantos gastos pela frente.

Agora começando pelo começo, a verdade é que eu e o Fábio não curtimos muito festas de casamento, achamos que costuma ser chato, e essa é a nossa opinião. Tem gente que ama festas de casamento, que sonha com isso a vida inteira e é algo bem pessoal mesmo. Foi por isso que pensamos nas ideias mais “alternativas” que eu comentei ali em cima.. a feijoada beneficente (com os ganhos revertidos para ajudar a mobiliar a nossa casa ;)) – que não preciso nem dizer que minha mãe odiou – o boteco, um churrasco, um evento em um sítio e coisas do gênero.

Nós queríamos muito fugir do esquema missa-recepção-comeu-partiu. Dependendo do clima muitas pessoas não se animam pra curtir a festa mas reclamam do buffet que é uma maravilha. Os noivos mal conseguem aproveitar, precisam dar atenção a todos e são super pressionados durante o evento pelo cerimonial, família e amigos. É um “tira uma foto comigo, só comigo agora, puts não ficou legal essa” enquanto você ainda precisa socializar com a tia-avó de quarto grau, que até a elaboração da lista de convidados nem fazia ideia que existia.

O que fizemos foi pesar todos estes pontos e perceber que uma festa de casamento tradicional não era pra gente. Pensamos que poderíamos gastar parte do dinheiro que gastaríamos na festa fazendo algo realmente significante para nós dois. Afinal.. Daqui a um mês, quem lembraria da nossa festa de casamento? Quase todos que compareceram. Daqui a seis meses, um ano algumas pessoas ainda lembrariam. Mas daqui a 10, 20 anos? Só nós, nossos pais e alguns amigos e parentes que nos estimam muito. Então pra quem que essa data precisa ser especial? Foi ai que descobrimos que era possível casar em outro país gastando menos do que gastaríamos numa festa aqui e abraçamos a ideia. Afinal, amamos viajar!

As pessoas não se sentiram excluídas?

Um tweet de 160 caracteres vale mais que mil palavras, então deixo um registro do que estava passando na minha cabeça nas vésperas do casamento:

Por um lado foi muito triste saber que amigos e parentes queridos talvez não pudessem participar do casamento, como por exemplo meus avós que por conta da idade não encaram mais viagens longas de avião e alguns amigos que seja por questões financeiras ou de trabalho nos comunicaram que não iriam. Mas, também tínhamos certeza que só participariam do grande dia aqueles que se importam conosco, que ninguém iria por obrigação (sabe aquele meu filho vamos comigo, não quero ir sozinha?).

Foi muito difícil não nos sentirmos egoístas, nós recebemos diversas críticas negativas, me decepcionei com pessoas bem próximas pelo tipo de comentário que fizeram. Fomos tachados de ricos (I wish!!), de esnobes e do que mais você imaginar. Me deixou bem triste perceber que pra algumas pessoas importava mais a presença ilustríssima dela no momento do nosso sim, do que a nossa realização pessoal.

Mas ao mesmo tempo, muita gente se animou pra viajar. Amigos e parentes estavam ansiosíssimos pela viagem e foi muito gostoso poder ajudá-los a encontrar passagens baratas, a reservar seus hotéis e descobrir mais sobre a cidade. Uma das partes que mais gostei foi mudar um pouco aquela ideia que algumas pessoas formam de que é preciso ser rico pra viajar. Fora que tantas vezes nós falávamos em viajar juntos e essa ideia nunca saía da sala de jantar, conseguimos finalmente fazer uma viagem em família e de bônus entre alguns amigos. Parece que tudo que as pessoas precisavam era de um motivo especial.

Mas, todo o sentimento de “mal-estar”, quaisquer dúvidas e incertezas desapareceram no momento que fizemos checkin no hotel do casamento. Nós ficamos maravilhados. Me senti rica todos os dias que ficamos hospedados lá. Se nós dois fossemos viajar normalmente, não gastaríamos o que gastamos, nem teríamos a experiência maravilhosa que tivemos, com a certeza de que tudo que vivemos vai ficar na memória como algo incrível que fizemos juntos.

Tivemos tratamento de príncipe e princesa. Eu sinceramente nunca tinha me hospedado em um lugar tão bacana, a gente já se hospedou em hostel com 16 camas! hahaha acho que gente rica geralmente se hospeda em hotéis desse nível pra cima. No momento do checkin recebemos “Welcome drinks”, uma taça de espumante para brindar nossa chegada. Um funcionário levou as nossas malas para o quarto e nos mostrou tudo que tinha por lá. Não sei se me encantei mais com a cafeteira ou com o armário de bebidas. Quando abrimos a janela e contemplamos a vista do quarto eu chorei. Nunca tinha visto algo tão bonito na vida.

Falando em números, nós gastamos cerca de um terço do que gastaríamos se tivéssemos feito festa aqui em Manaus. Mas é claro que nem tudo é glamour, teve muito ônibus desconfortável, caminhadas de 2km sob um sol escaldante carregando vestido de noiva e terno, economia nas refeições e por ai vai. Pra gente, foi o céu na terra. Uma experiência sensacional e que jamais viveríamos se não fosse pelo casamento. A gente nunca ia gastar tanto numa viagem se não fosse por esse motivo.

Tá, mas e o casamento?

Foi o momento mais lindo da nossa vida até hoje. Eu estou muito feliz de termos tomado esta decisão juntos, porque ela foi muito acertada. Nós, ainda em 2014 compramos um “pacote de casamento” chamado Real Catholic Wedding oferecido pelo Gran Caribe Resort (hoje Panamá Jack).

Na época custou USD2.124 e além da cerimônia na igreja e da recepção semi-privada para 30 pessoas em algum dos restaurantes do hotel, também estava incluso: minha maquiagem, o meu buquê, uma flor pra lapela do Fábio,  manicure e pedicure para a noiva, o bolo, champagne para o brinde, serviço de fotografia por 1h com o direito de escolhermos 24 fotos em formato digital, um porta-retrato, 25 minutos de massagem relaxante para o casal, um jantar romântico para os noivos, café-da-manhã na cama no dia seguinte ao casamento, desconto nos serviços de SPA para os noivos e convidados, um cerimonialista e uma noite grátis no hotel no nosso aniversário de um ano de casados. Estas são as coisas que eu lembro, mas a lista de serviços inclusos era bem grande.

Capela Nossa Senhora de Guadalupe
Capela Nossa Senhora de Guadalupe

A cerimônia religiosa foi em espanhol, mas as leituras feitas pelas nossas mães e tias, foram em português (a nossa cerimonialista conseguiu todas as leituras sem que nós precisássemos pedir a ela). O padre foi atencioso e falou bem devagar para que todos pudéssemos entender, o sermão foi maravilhoso, foi quase uma coletânea de conselhos para nossa vida a dois. O padre nos encorajou a sermos sinceros, nos amarmos e nos pediu pra nunca deixar de usar três palavras “Gracias, permisso y perdón”.

Foi tudo muito lindo. Não foi uma missa demorada, durou cerca de 1h. Tudo isso em uma capela com paredes de vidro, de frente pro belíssimo mar do Caribe!

Tentando brindar na praia
Tentando brindar na praia

Depois da cerimônia fomos para a praia onde brindamos a nossa união com os amigos e familiares em um coquetel descontraído. Eu realizei o sonho de ser uma noiva descalça, e todas as mulheres também tiraram os sapatinhos. Brindamos, tiramos fotos, comemos uns petiscos deliciosos, rimos e conversamos. Todos estavam bem empolgados com o mar, nossos pés na areia, os drinks. O coquetel não estava incluso no nosso pacote, mas ficamos encantados com essa possibilidade e resolvemos contratar o serviço.

Nossa primeira dança
Nossa primeira dança

Após o coquetel fomos para o terraço, onde fomos apresentados como Senhor e Senhora Porto ao som de AC/DC. O nosso pacote cobria uma recepção semi-privada, que aconteceria em algum dos restaurantes disponíveis. Nós já tínhamos até escolhido qual restaurante seria, mas por muita sorte (e determinação) consegui o contato de uma moça de Brasília que casou no Gran Caribe e enchi ela de perguntas (Obrigada Gabi!!) e ela nos aconselhou a fazer a festa no terraço, como ela fez. Entramos em contato com a nossa cerimonialista e trocamos o local na hora!

Logo após entrarmos no terraço, fizemos a nossa primeira dança que foi uma mixagem de “Can’t take my eyes off you” e “Raining blood”, foi divertido demais! No nosso pacote de casamento não estava incluso o serviço de DJ, e caso não contratássemos o hotel forneceria música ambiente para a recepção (a gente também podia levar um ipod, ou mp3 para eles reproduzirem lá) mas, optamos pelo serviço apostando que ficaria bem animado. O DJ e seus ajudantes foram super simpáticos e divertidos. Logo após dançarmos juntos ele chamou meu pai para a nossa dança de pai e filha, eu escolhi Espatódea do Nando Reis e ninguém conteve as lágrimas. Quando terminou a nossa música ele chamou o Fabio e a mãe dele para dançarem juntos.

Discurso, discurso!
Discurso, discurso!
Que bolo de-li-ci-o-so
Que bolo de-li-ci-o-so

Em seguida foi servido o jantar, eles levaram pratos bem servidos para cada um dos convidados. Escolhemos uma salada de entrada, para o prato principal demos opções de carne e salmão e também rolou uma tortinha de sobremesa. Todos os pratos eram muito bonitos e deliciosos. Agora gente, foi tanta comida que pensei que meu vestido ia espocar. Depois que a sobremesa foi servida nos convidaram para fazer um discurso, o Fábio falou primeiro e eu, apesar de gostar de escrever sou péssima falando em público, agradeci a presença de todos e comecei a chorar, hahaha. Depois disso, fomos cortar o bolo, ao som de “Happy Together”. Era pra gente fazer a pose pra foto, mas o bolo estava tão gostoso que ficamos comendo sem parar.

Um brinde de tequila!
Um brinde de tequila!
Meu vestido foi uma atração
Meu vestido foi uma atração

Depois do corte do bolo, o DJ convidou todos pra irem pro centro do terraço para dançarmos. Ficamos muito felizes porque todo mundo entrou no clima e foi dançar, até meu pai!!! Apesar de não termos falado nada a respeito da iluminação, o DJ providenciou tudo e ajudou a tonar nosso momento ainda mais alegre, como dá pra ver um pouquinho nas fotos. Os garçons serviram muitos drinks, brindamos com muita tequila e olha, não tenho nem palavras para descrever como foi maravilhoso!

<3
Quase no fim da festa <3

Quando a festa acabou, fomos pro quarto pensando no quanto nos divertimos, no quanto foi tudo lindo e toda hora eu e o Fábio conversávamos repetindo as mesmas frases “foi perfeito”, “foi lindo”, “amei”. Quando abrimos a porta do quarto nossa cama estava decorada com pétalas de rosa em formato de coração. Ficamos muito emocionados e eu boba como sou, desabei em lágrimas. Parece que vivemos um sonho.

Destination Wedding: Um sonho possível

destination wedding

Como eu repeti umas 300x no snapchat enquanto fazíamos “transmissões” da viagem: a nossa maior incredulidade com tudo isso é que nós não somos ricos. Vivemos essa experiência maravilhosa (aos nossos olhos) SEM SER RICOS. O que foi necessário, foi planejamento. E nós planejamos muuuito. Tomamos a decisão com um ano e meio de antecedência e desde então, quase que uma vez por semana sentávamos juntos para discutir os detalhes, olhar nossas planilhas e revisar as nossas metas. Ao planejar tudo com bastante antecedência, também permitimos que nossos convidados se organizassem e pudessem viver esse sonho conosco.

Se você quer amadurecer essa ideia de casar em uma cidade diferente da sua, acompanhe os nossos próximos posts. Sinta-se livre para nos fazer sua pergunta aqui, vai ser um prazer enorme ajudar você a transformar o seu sonho em realidade.

Carmina Nascimento

Engenheira eletricista e apaixonada por livros. Nascida e criada em Manaus, morei um ano em Londres participando do programa de intercâmbio Ciência sem Fronteiras. Em 2016 realizei um dos meus maiores objetivos relacionados a viagem, o destination wedding.

9 comentários em “Destination Wedding Cancún: melhor escolha da nossa vida

  • maio 5, 2016 em 12:34 pm
    Permalink

    Eu, no auge dos meus 25 anos, NUNCA tinha ido a um casamento…nem poderia imaginar que minha estreia seria em Cancún, no casamento de uma das minhas melhores amigas!

    Bom, no começo eu tinha me empolgado com a história, mas depois vi o quão “impossível” seria. Estava triste, mas até que um dia, em uma rifa..SIM, EM UMA DESSAS RIFAS DE FORMATURA! Eu ganhei um vale-viagem no valor de R$ 2.000,00. E CLARO que destinei esse valor todo à passagem pra Cancún. Depois da passagem garantida, vieram outros questionamentos tais como: “Como avisar no trabalho que irei faltar pra viajar?”, “Quanto terei que guardar pra poder gastar lá com hospedagem, comida, transporte e lazer?”, enfim, muitos questionamentos que com calma e com a ajuda de todos que iriam eu consegui driblar. Levei uma quantia, ganhei outra e pronto, aquela que “também não é rica” conseguiu ver seus amigos casando em outro país, conheceu uma cor de mar nunca vista antes e conseguiu fazer TUDO que queria em Cancún (ok, quase tudo, faltou a Cocobongo hahah).

    Aquele lugar é INCRÍVEL, não tem outra palavra pra designar. O cerimonial estava impecável, o cuidado com que fizeram, a paisagem escolhida, o sabor e variedade das comidas, os coquetéis maravilhosos (Piña Colada perfect!), a entrada da Carmina na capelinha (linda), as palavras do padre (E QUE PALAVRAS!), a entrada dos noivos no terraço (AC/DC é a cara de vocês), as músicas empolgantes do DJ…eu poderia falar aqui milhões de anos pra tentar provar o quanto foi sensacional, o quanto aqueles que prepararam tudo se empenharam e fizeram desse dia um dia inesquecível para os casados e pra quem estava presente, vendo tudo aquilo, sentindo e pensando EU NÃO ACREDITO QUE ESTOU AQUI VIVENDO TODA ESSA MARAVILHA.

    Sou cristã e em todos os dias que estive lá, vivendo esse destination wedding, com amigos especiais agradeci a Deus. Certamente eu não teria feito todo esse esforço pra ir se a Carmina e o Fábio não fossem realmente muito especiais na minha vida, afinal não envolve só “vontade de ir”, envolve milhares de coisas e foram meses de muito preparo pré-viagem. Enfim, saímos de lá com alegria ESTAMPADA NA CARA, Cancún deixou uma marca na gente e nós deixamos nossa marca em Cancún!

    Então, sabe aquele nervoso de como pedir uns dias pro chefe? Aqueles fins de semana que não saí ou as coisas que não comprei pra economizar? Sabe aquela agonia e pressa pra resolver o vestido, aquele corre atrás dos dólares mais baixos que são acho que a maior dor de cabeça de todas hahaha pois é, A ESCOLHA FOI PERFEITA E EU FARIA TUDO OUTRA VEZ!

    A todos aqueles que me perguntarem “Como será que faço meu casamento?”, não hesitarei em dizer: FAÇA UM DESTINATION WEDDING!

    Parabéns, Mina e Fabs por terem pensado nisso e feito dessa viagem uma viagem inigualável a todos que foram! E 2017 quem sabe possa ir todo a equipe do Onzeteto! 🙂

    Resposta
    • maio 5, 2016 em 2:30 pm
      Permalink

      Bruna, que legal a história de como você acabou indo ao casamento! O universo conspirou a seu favor e te levou a viver esse sonho que todos nós vivemos, graças a Carmina.
      Obrigada pelo comentário!

      Resposta
  • maio 6, 2016 em 11:06 am
    Permalink

    Carmina, muito obrigada pelo convite, confesso que se não fosse pelo seu casamento Cancun não seria um destino priorizado nas minhas próximas viagens. No entanto me surpreendi muito com a região, que é riquíssima culturalmente e cheia de coisas pra conhecer, vai muito além das praias, que por sinal são tudo aquilo que a gente imagina e mais um pouco. Sobre sua festa, fico emocionada só de lembrar. Certamente foi um momento único pra todos que estavam ali, tudo lindo e emocionante. Obrigada por me incluir nesse sonho =)

    Resposta
    • maio 6, 2016 em 12:37 pm
      Permalink

      A gente que agradece a sua presença e todo o esforço que você e Roberto fizeram pra ir. Cancún foi realmente muito surpreendente e visitar a cidade mudou um pouco aquele conceito de que é um destino “para americanos”. Nosso sonho não teria sido tão lindo sem vocês. <3

      Resposta
  • agosto 10, 2016 em 12:09 pm
    Permalink

    Que lindo! Me emocionei com seu texto.
    Tb vou me casar em Cancun e me hospedar no GCaribe. Assim como vc teve a sorte de encontrar uma noiva de Brasília, numa pesquisa do Google achei sua página com dicas tão úteis para mim! Amei!!!!

    Resposta
  • junho 6, 2017 em 8:32 pm
    Permalink

    Olá,
    Sou de Salvador e estou fazendo pesquisas para também casar em Cancún. Adorei o seu relato. Coincidência também estava pesquisando pelo mesmo hotel. E aí vem diversas dúvidas. Será que vc pode me ajudar? Queria saber se vc fechou pacote para os convidados tá bém no mesmo hotel. Se para casar nessa capela é preciso fazer uma cerimônia religiosa de verdade com toda a documentação, se sim, como foi esse processo? Se posso fazer uma cerimônia simbólica mesmo usando esse espaço. Se a cerimonialista foi o hotel que indicou e se vc pode me passar esse contato e se você entrou contato direto com o hotel ou contratou uma empresa que intermediou tudo. Agradeço muito se vc puder me ajudar!
    Um beijo!

    Resposta
    • junho 10, 2017 em 6:04 pm
      Permalink

      Oi Vanessa, fico feliz em poder ajudar.

      Bom, primeiramente falando sobre a capela. Para usar a capela é obrigatório fazer a cerimônia religiosa, mas é tudo super descomplicado. A cerimônia religiosa não pode ser feita na praia, somente na capela. A cerimônia simbólica pode ser feita na praia ou em algum dos outros lugares maravilhosos do hotel.

      O pacote de casamento inclui uma cerimonialista. Assim que você fecha o pacote alguém entra em contato com você se apresentando e te explicando os detalhes. Todo o contato é feito por email e eles falam inglês e espanhol.

      Eu não reservei pacote para os meus convidados porque as pessoas demoraram muuito para confirmar a presença. Assim, cada um fez sua reserva conforme ia decidindo viajar.

      Quaisquer dúvidas estou por aqui =)

      Resposta
  • fevereiro 26, 2018 em 7:44 pm
    Permalink

    Querida estou pensando em casar lá e estou cheia de dúvidas… vc tem face pra eu tirar umas dúvidas ctg? Bjs

    Resposta
    • fevereiro 26, 2018 em 8:47 pm
      Permalink

      Oi Tati, boa noite!

      Você pode escrever suas dúvidas aqui ou mandar um email para o contato@indavoula.com.br 🙂
      Buscamos concentrar todas as informações de viagem aqui no blog, a sua dúvida pode ser também a de outras pessoas.

      Aguardo seu contato e feliz bodas! <3

      Carmina Nascimento.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *