A foto importa tanto assim?

Eu entendo a necessidade que a gente tem de registrar os momentos, seja para relembrar, para mostrar para a família, para guardar para sempre uma cena. Mas a foto é só um detalhe.

A viagem de volta do Atacama é super cansativa (para ler sobre os passeios no Atacama clique aqui). Quando a nossa van foi nos buscar para nos levar ao aeroporto de Calama demos muita sorte: éramos os primeiros e pudemos escolher um lugar bem confortável, fechar os olhinhos e descansar até chegar ao nosso destino.

Durante o trajeto paramos para pegar mais pessoas e completar a lotação. Por coincidência pegamos pessoas que já se conheciam e que foram batendo papo durante o caminho. Eu não consegui dormir, mas fiquei ali, admirando a paisagem, refletindo sobre a viagem e ouvindo ainda que sem querer aquela conversa.

Eles falavam sobre os passeios que tinham feito. Aparentemente aqueles dois grupos fizeram alguns tours juntos, por acaso. No último dia fizeram passeios diferentes e estavam relatando suas experiências um para o outro.

“Ah foi ruim, nada demais. Mas vai dar pra postar umas fotos bacanas”

“Mas e ai, deu pra tirar fotos?”

“As fotos ficaram legais?”

“Você tirou fotos daquela laguna?”

“Eu nem consegui fazer uma foto igual a que eu tinha visto na internet..”

Fotos, fotos, fotos, fotos…

O Atacama é um dos lugares mais lindos que eu já vi na vida, e eu tenho a sorte de já ter conseguido visitar alguns lugares bacanas. Confesso que fiquei um pouco incomodada ouvindo aquela conversa e pensando que de tudo que aquelas pessoas viveram, viram, sentiram, experimentaram, o único assunto possível eram as fotos.

Mas, a foto importa tanto assim?

Na minha opinião, fotografar e viver o momento não são coisas mutuamente exclusivas, ou seja, não é porque você está fotografando que não pode se divertir ou aproveitar um local especial. O que eu considero preocupante é após uma viagem você não ser capaz de tecer um único comentário sobre a beleza do lugar, sobre algo que te encantou (ou sobre o que não gostou) e sua única “preocupação” ser as fotos que você vai postar.

Isso sim impede uma pessoa de viver o momento. Quem está nesse nível de loucura com as fotos esquece de aproveitar, fica tenso o tempo inteiro, e acaba tirando várias fotos sem objetivo nenhum com a esperança de que alguma fique boa. E olha, se você não tiver conhecimentos mínimos em fotografia, vai acabar ficando frustrado ao perceber que as fotos que você tirou ficaram muito diferentes das da internet. (AH, clique aqui para aprender umas dicas para fotografar melhor suas viagens).

Antes de tirar uma foto, eu sempre penso “o que eu estou acrescentando com isso?”. Penso que se um dia eu quiser lembrar como era o Salar de Tara, por exemplo, basta pesquisar no google imagens para ver fotos muito melhores que as que eu tiraria. Por conta disso, acabo tirando poucas fotos durante as viagens, mas que de certa forma tem um significado especial para mim e vão me lembrar de momentos legais de uma aventura.

Eu não me considero melhor que ninguém por tirar poucas fotos, longe disso. As vezes eu me arrependo de não ter fotografado algumas coisas. Apenas digo isso para dar uma sugestão para aqueles que não tem pena do botão da máquina.

Acho que cada um deve tirar quantas fotos achar que seja necessário, desde que não esqueça nunca de contemplar, de admirar e de enxergar a cena com os próprios olhos. É esse carinho pelo lugar que vai fazer a diferença na sua experiência de viagem.

A foto importa tanto assim?

Carmina Nascimento

Engenheira eletricista e apaixonada por livros. Nascida e criada em Manaus, morei um ano em Londres participando do programa de intercâmbio Ciência sem Fronteiras. Em 2016 realizei um dos meus maiores objetivos relacionados a viagem, o destination wedding.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *